logo Vão Jogar!
logo Vão Jogar! DegustaçãoNintendo Switch

Degustação: Nintendo Switch

Somari e suas aventuras - e desventuras - com o novo console da Nintendo.

autor Hugo "Somari" Couto   datahora 13/04/2017 às 09:04:55   tagarelices 2

Somari e suas aventuras - e desventuras - com o novo console da Nintendo.


Pequeno, potente, versátil e, acima de tudo, diferentão. Não há adjetivos melhores para definir essa peça de hardware que é o Nintendo Switch.

Lançado há pouco mais de um mês, o pequeno notável da Big N já alcançou algumas boas marcas de vendas no mundo inteiro, registrando alguns recordes da empresa. E finalmente eu consegui testar um desses, antes de deixar o burburinho passar, e conto aqui minhas aventuras (e desventuras) com o poderoso tablet.

Em mãos

Nintendo Switch
Dá para acreditar que essa coisinha aí faz aquilo tudo?

Provavelmente vocês já devem ter visto muito do Switch por aí e aposto que vocês, assim como eu, também ficaram curiosos sobre a peça que é o console. Sim, ele é muito pequeno. Sem os controles acoplados, mede aproximadamente o mesmo que o 3DS XL, e sua espessura também é muito próxima da parte de baixo do atual portátil da Nintendo. É possível também comparar ele com somente a tela do GamePad do Wii U e a espessura de dois celulares (comparei com o meu Galaxy S6). E sim, esse é o tamanho de todo o hardware de processamento do console.

Nintendo Switch e Gamepad do Wii U
O Nintendo Switch ao lado do GamePad do Wii U.

Controle do Switch no grip e Wii U Pro Controller
E o lado a lado do "cachorrinho" com o Pro Controller do Wii U.

Hardware

Falando em processamento, para os interessados em números, o Switch conta com um chip SoC, ou seja, uma CPU e GPU em uma só peça, sendo a CPU um ARM Cortex A57 Quadcore e uma GPU Tegra X1 com arquitetura Maxwell, que foi customizada e otimizada para a plataforma da Nintendo , além de 4GB RAM LPDDR4 da Samsung e 32gb de memória Flash, com capacidade para expansão via cartão MicroSD. Trocando em miúdos, é um hardware (bem potente) de celular. Alguns benchmarks e testes dizem por aí que o Switch entrega, em termos de dados técnicos, a mesma coisa que uma GeForce 1060!

Ah! Uma bateria de 4310 mAh alimenta o faminto. Então tente entender o porquê dela durar pouco, apesar dele vir com uma porta USB-C para carga, então pode usar sua powerbank sossegado.

Joy-cons

Joy-con
O Joy-con direito. A posição do analógico próximo aos botões de ação, que eu temia ser um problema pra se usar como controle separado, na verdade não é incômodo nenhum.

A grande estrela do console, no entanto, são sem dúvidas os Joy-Cons. São pequenos, leves e versáteis o suficiente para roubar a cena aqui.

Para começar, obviamente vou citar a modularidade do aparelho. É um controle que se divide e se transforma em dois. Você não vai precisar comprar mais um pra jogar com um amigo.

Os Joy-cons são bem confortáveis nas mãos em qualquer modo que for. Bem, mais ou menos: na verdade o Joy-Con­ direito é um pouco incômodo para se acessar o analógico quando esse está acoplado no tablet. Mas só, de resto ele é ótimo e encaixa bem na mão.

Testei também a tão falada função Rumble HD e sim, ela é sensacional. Em 1-2 Switch, há um game onde você precisa girar uma caixinha de madeira com uma certa quantidade aleatória de bolinhas dentro e adivinhar a quantidade. Obviamente, você gira a caixinha usando o giroscópio do Joy-Con, mas a parte do “adivinhar a quantidade” fica por conta da vibração do controle. E você realmente sente bolinhas girando dentro dele, inclusive o efeito delas batendo umas nas outras, e esse efeito vai por todo o pequeno controle. Parece bruxaria, mas o negócio funciona mesmo!

Fiz um teste rápido na montagem dos acessórios também. Tudo encaixa e solta com facilidade, exceto o strap, que tive de fazer um pouco mais de força pra soltar, mas ele sem dúvidas deixa o uso dos Joy-Cons individuais mais confortáveis.

Por fim, a coisa que mais gostei dos controles foi o “cachorrinho”, também conhecido como Joy-Con Grip. Sério, que negócio gostoso aquilo! Para mim que tenho mãos pequenas, encaixou perfeitamente na minha pegada e tive acesso total a todos os botões, com nenhuma dificuldade em caso de alguma reação rápida. Os analógicos são pequenos e de certa forma lembram os do PS Vita, mas com o click central. Esse, para mim, foi o melhor controle que já usei.

Software (Interface)

O software é simples, tanto em aparência quanto em usabilidade. Muita coisa dele é similar ao Android, o que facilita e atrai essa galerinha que já está nascendo com um tablet na mão e postando fotos no Instagram. Botões grandes espalhados pela tela mostram tudo o que você precisa fazer e o mais legal é a opção de poder escolher o usuário ao iniciar o jogo, não precisando de toda aquela burocracia de ter de fazer logout em uma conta para acessar outra. Para efetivamente trocar de usuário é só escolher no canto superior esquerdo da tela e pronto. Já outras coisas, como os Miis, estão meio que escondidas nas configurações do console, o que me deixou um pouco triste em saber que agora eles não são mais os avatares principais do aparelho.

Os jogos que testei foram, 1-2 Switch e The Legend of Zelda: Breath of the Wild. Esse primeiro, rapidinho para ver mais as funcionalidades do controle e saber como é. Deu para dar umas risadas, mas definitivamente não compensa pagar o preço de um jogo cheio por ele. Talvez se já viesse com o console, assim como Wii Sports e Nintendo Land...

Zelda Breath of the Wild rodando na Dock
A tão falada "baixa resolução" não me desagradou, na TV a imagem fica linda! E embora seja ligeiramente menor no portátil, a densidade de pixels da telinha LCD acaba ajudando e você nem sente essa diferença.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild, de fato, é uma obra prima. Não vou falar muito desse cara aqui, já que o Tchula fez uma Vídeo Degustação no site.

Mas nem tudo são flores e por um certo tempo, o gostinho doce das aventuras de Link se transformaram num amargo travamento geral do console. Em um certo momento o Switch conectou na rede Wi-fi da casa do meu amigo e um aviso de update do Zelda pulou na tela. Logo depois disso eu encaixei o tablet no dock e despluguei os Joy-Cons: pronto, o console congelou. Apertei power para tentar religar o sistema e a tela perguntando se eu queria botar o console no sleep ou desligar de vez apareceu, e aí nada mais funcionava, exceto o controle de volume. Nada de voltar, nada dos Joy-Cons funcionarem, nem a touchscreen pegava. Naturalmente me bateu um desespero achando que tinha quebrado o negócio que nem era meu. Um tempo pesquisando, descobrimos mais gente reclamando desse mesmo erro, que ocorre por causa da instalação de algum update enquanto se joga. Não sei o nível em que isso atinge os usuários, mas comigo aconteceu e foi horrível. A solução era simplesmente pressionar o botão power por mais tempo que deveria e pronto. Depois disso ele não apresentou mais nenhum problema. Ah! O tão falada falha do Joy-Con dessincronizando não rolou aqui.

Sem dúvidas o Nintendo Switch é um console fantástico, bastante consistente e robusto para o conjunto de hardware que utiliza, afinal, estamos falando de um tablet. Os Joy-Cons são maravilhosos, especialmente plugados no grip. Tirando esse problema tenebroso de travamentos aleatórios, o novo aparelho da Big N é algo único, inovador e ousado, contando com a praticidade de poder tirar do dock e continuar jogando, não perder o progresso quando acabar a luz, além de outros luxos que só um portátil pode oferecer, aliado a potência que bate de frente com o Wii U e, de certa forma, não ficando muito atrás do PlayStation 4 e Xbox One.

Se vale a pena ter um Switch? Com toda certeza! No geral minha experiência com ele foi ótima e deixou uma vontade de quero mais quando tive de ir embora, com a única certeza de que comprarei um assim que possível. Só é uma pena ainda termos de recorrer à importadores, já que a Nintendo ainda não voltou oficialmente para o Brasil, fazendo com que o console custe um absurdo de caro, além dos jogos. A única ressalva é sobre a falta de um update de correção desses erros malucos que ele tem.

Ah! E sim, os cartuchos tem um gosto HORRÍVEL, extremamente amargo e que demora muito para sair da boca (é, eu provei aquele negócio. Mito confirmado).

PS.: Agradecimento ao grande amigo Alessandro Caxias e sua sobrinha por me deixarem brincar um pouquinho com o Switch deles. :D

* Revisado em 17/04/2017 às 13:09:09

outras tags: 1-2 Switch e The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Compartilhe

Pin it


Leia também...



2 tagarelices já foram feitas!


e-mail  
nome  
localização  
site  
tagarelice   ativar o editor de texto desativar o editor de texto


E-mail Receba notificações para novas:     ok respostas      ok tagarelices      ok publicações

 

  • avatar de Marvox
    Marvox
    13/04/2017 às 20:30:43   localizacao São Paulo/SP
    Muito bom o seu review do Switch, Somari! Parabéns mesmo, até agora foi o parecer mais justificativo que pude ler. Qualquer pessoa que for me perguntar sobre o Switch mostrarei seu texto. Grande abraço!

    Responda!
  • avatar de Gamer Caduco
    Gamer Caduco
    19/04/2017 às 00:31:35   localizacao SP
    Olha só, que maravilha! Isso sim é degustação, teve até de sabor! Eu não deixaria vc colocar o cartuchinho na boca se fosse dono do console! huahuahua
    Gostei, eu realmente estou interessado no Switch. Desconfiava que o cachorrinho era gostoso de jogar e tal, pelo visto é mesmo!
    Minha única preocupação é o console a longo prazo, lance de entortar e riscar. Eu não sou uma pessoa muito cuidadosa! rs
    E é lógico que vc ia conseguir bugar o negócio, né? kkkk
    Muito bom, Suma!

    Responda!
Acompanhe as tagarelices deste escrito por e-mail
e-mail  

       

fechar

Parceiros & Links

58|Videogames com Cerveja|http://www.vgscomcerveja.com.br|Videogames com Cerveja é um blog sobre games, cujo o principal objetivo é compartilhar experiências "videogamísticas" (tanto na jogatina quanto no colecionismo)! Então não espere encontrar muitas notícias ou reviews detalhados sobre games por aqui!§61|Nação Cucamonga|http://nacaocucamonga.blogspot.com.br|A cultura do terceiro mundo esmagando a do primeiro.§47|Arquivos do Woo|http://arquivosdowoo.blogspot.com.br|De tudo um pouco na medida certa.§42|Gamer Caduco|http://gamercaduco.wordpress.com|Histórias de um gamer que está cada vez mais próximo de caducar de vez.§43|My Detonation|http://mydetonation.blogspot.com.br|O blog do grande Trevoso, sobre o que ele joga, jogou e quer jogar, com indicações de downloads e vídeos.§52|Marvox Brasil|http://marvoxbrasil.wordpress.com|As formas mais variadas do universo dos games e vídeogames em um só lugar. Matérias, detonados, curiosidades, podcasts e vídeo-análises. Leia o Blog MarvoxBrasil e desperte o gamer em você!
logo
Vão Jogar! - Um site que aborda a cultura dos videogames com seriedade e bom humor.
Vão Jogar! & TMS criados por Rafael "Tchulanguero" Paes - 2008 ~ 2017
topo rodapé