logo Vão Jogar!
logo Vão Jogar! DegustaçãoEternal Darkness: Sanity’s Requiem

Escuridão Eterna No Gamecube

Análise de Eternal Darkness: Sanity’s Requiem - "Você sente medo? Você vai sentir!"
 

autor João Roberto   datahora 23/10/2015 às 13:20:18   tagarelices 16

"Você sente medo? Você vai sentir!"
 


Independentemente de qualquer discussão sobre quem venceu a guerra dos 128bits, o fato é que grandes jogos foram lançados nessa época. E, em meio a tantos bons jogos, um se destacava por alguns motivos bem interessantes, mas o que mais chama a atenção é em qual console ele saiu, o Nintendo Gamecube, afinal, com sua política "jogos para toda família", é difícil imaginar um jogo assim em um aparelho dela...

Capa do jogo...

Aliás, ele já começa com uma tela dessas...

Edgar Alan Poe, um dos meus favoritos...

Eternal Darkness: Sanity’s Requiem foi um jogo de... de... Rapaz, que difícil classificá-lo. Vamos ver alguns itens que fazem parte do jogo:

- Zumbis? Confere.
- Câmera em terceira pessoa que mais atrapalha do que ajuda? Confere.
- Clima sombrio? Confere.
- Puzzles para abrir portas que você poderia abrir com um único tiro? Confere.

Olhando rapidamente, é fácil algum desavisado pensar que se trata de algum Resident Evil mas, apesar das similaridades, são jogos totalmente diferentes.

Eternal Darkness é um survival horror. Na verdade, ele era tratado como um thriller psicológico desenvolvido pela Silicon Knights, e é ai que fica a grande sacada do título, pois ele brinca com a sanidade, não apenas do personagem, mas do próprio jogador.
 
Explique, João...
 
Eternal Darkness tem basicamente 3 marcadores na tela, um para a vida do personagem, um para as magias e um marcador que indica o nível de sanidade. Quanto mais cheia a barra, mais senhor de si cada personagem está e quanto mais vazia a barra, mais próximo da loucura ele está.

Sem spoilers, ED foi uma das melhores experiências no mundo do games que já tive até hoje. A história em sim é puro clichê, em que a jovem Alexandra Roivas descobre que o avô foi assassinado e, como única descendente dele, precisa reconhecer o corpo. O problema é que ao chegar lá simplesmente não há uma cabeça para reconhecer e ela o faz pelo anel de família que ele está usando. Depois disso, ela decide investigar a mansão do avô para encontrar pistas sobre o assassinato. Puxa, isso é tão Resident Evil...


Logo no início, Alexandra encontra o Tomo da Escuridão Eterna, um livro feito com pele e ossos que conta uma história sobre seres demoníacos que querem dominar a Terra e ai é que a coisa muda. Durante o jogo, Alexandra lê trechos do livro que se passam em várias eras diferentes. Ao todo são 12 personagens que você controla, desde um centurião romano do ano 26 A.C. a um arquiteto italiano do ano 1460 D.C. E cada personagem tem características ímpares, o que contribui com o fator psicológico do jogo. Alguns deles são ágeis e manejam bem armas, como o próprio centurião ou um explorador tipo "Indiana Jones" de 1983, mas aflição mesmo é controlar o já citado arquiteto chamado Roberto Bianchi. Imagine a cena: Bianchi é um arquiteto, então por que ele cuidaria do corpo e manteria a boa forma? Falando de games, a premissa é que qualquer pessoa é capaz de peripécias mil, mas não em Eternal Darkness. Roberto Bianchi é um gordo tipo Faustão e sua resistência é quase zero, portanto, se você ataca um zumbi ele cansa e a espada parece pesar uma tonelada. E se tentar correr? Ele dá três ou quatro passos e já fica com a língua de fora. Tenso...
 
Eu quero correr, mas não consigo...
 
E a sanidade, João? E a sanidade?!

Quando você encontra um zumbi, seu personagem fica verde por um instante para representar o medo que o personagem está sentindo e, aliás, verde é também a cor do medidor de sanidade. Com o medidor baixo as coisas mais estranhas começam a acontecer na tela.

Apesar de ser um jogo antigo e difícil de encontrar a um preço justo, evitarei escrever algo que estrague a experiência de quem não jogou, mas quero citar algumas surpresas do game. Em dado momento, você entra em uma sala e seu personagem começa a andar sozinho, você não o controla, ai a cabeça dele cai. Depois disso, a tela volta para o seu jogador e na verdade você nem mesmo abriu a porta. Em outra parte, você entra em uma sala infestada de zumbis e o controle para de funcionar, aparecendo a tela de mal-funcionamento do mesmo e mais uma vez você não tinha nem mesmo aberto a porta. E imagine a minha surpresa ao estar em uma sala com zumbis e a TV simplesmente desliga? Outro efeito do jogo. Agora, nada se compara a você tentar salvar o jogo e do nada do nada o game apaga seu savegame. São tantas coisas diferentes... Tantas formas de nos deixar louco...

Rapaz, é tenso, viu?

Logo no início do jogo, você deve escolher entre três demônios diferentes chamados Xel’lotah, Chattur’gah Ullyaoth. Na prática, cada escolha diz apenas se você pode morrer mais rápido ou se pode ficar louco rapidinho. Nada de bom nas suas escolhas, e cada entidade é representada por uma cor e é inimiga da outra, portanto, a vida não fica fácil em momento algum. 

Além dos zumbis, o jogo também tem outros inimigos, como os trappers, criaturinhas parecidas com escorpiões que são cegas e só se localizam por meio de som. Para evitá-las, basta ficar parado e esperar que saiam de perto. Caso te ouçam, elas te enviam para outra dimensão para enfrentar monstros e zumbis até voltar ao seu mundo. Mas é claro que dá para dar um tiro de longe neles e ficar tranquilo.

Outro monstro que se enfrenta é chamado de Horror (assim mesmo!), que é lento e grande, por isso é só ficar longe dele e atacar pelas costas. E temos também humanos possuídos, que ficam lá andando para lá e para cá, mas do nada começam a atacar. Se isso acontecer, tiro neles!

Uma dica é jogar sempre com o marcador baixo, pois com a sanidade cheia o game acaba sendo um título normal como qualquer outro do gênero. Mas não deixe sempre o marcador baixo, pois eu deixei uma hora o jogo parado para buscar uma cerveja um refrigerante e o meu personagem não aguentou a loucura ao ver sangue escorrendo pela parede e gritos desesperados ao fundo e se matou...

Tem um minuto para ouvir a palavra de Chattur’gah?
  
E a jogabilidade, magias e todo o resto?

É difícil evitar referências a Resident Evil, mesmo porque visualmente são bem parecidos. Tratando-se de jogabilidade, são jogos parecidos e a escolha de câmera e até mesmo a mansão do avô da Alexandra remete ao outro game. Mas nem de longe isso chega a atrapalhar.

Mas tirando a jogabilidade, mansão e zumbis da frente, Eternal Darkness faz uso de magias, que são realizadas através de runas, pedras que você encontra em partes do cenário e, juntando-as, você pode criar magias novas, desde restaurar a sanidade, energia e dá até mesmo para invocar zumbis para você controlar. Legal isso!
Um detalhe interessante é que, apesar de você controlar vários personagens diferentes, nenhum deles tem um final feliz. Determinado personagem morre, outro fica louco e é internado em um sanatório e por aí vai...

Outro fator interessante é a parte sonora do jogo, que contribui para deixar o jogador ligado a todo momento. Como eu escrevi acima, se o medidor de sanidade está cheio, o game corre normalmente, com o barulho de passos e o desembainhar de espadas, agora, se a sanidade está quase zero o jogo se transforma e é possível ouvir gritos desesperados de socorro e mulheres e crianças chorando. É, no mínimo, perturbador...

O jogo prega cada susto...
 
Por fim...

Spoilers, meu filho...

É uma pena que Eternal Darkness não seja conhecido do grande público, afinal, é um jogo muito bem feito e oriundo de uma época em que grandes franquias surgiam, como Devil May Cry ou God of War, mas o pequeno console cúbico não fez feio. Eternal Darkness é um daqueles títulos que ninguém pode deixar passar, principalmente se você gosta de se assustar a cada instante. Portanto, ligue seu Gamecube (ou Wii, que é onde eu joguei), apague as luzes, aumente o volume e Vão Jogar!
 

Eternal Darkness: Sanity’s Requiem
Eternal Darkness: Sanity’s Requiem

Estúdio: 
Plataforma: GameCube

Compartilhe

Pin it


Leia também...



16 tagarelices já foram feitas!


e-mail  
nome  
localização  
site  
tagarelice   ativar o editor de texto desativar o editor de texto


E-mail Receba notificações para novas:     ok respostas      ok tagarelices      ok publicações

 

  • avatar de Fgap10
    Fgap10
    23/10/2015 às 21:09:25   localizacao São Paulo
    Cara, eu tenho o original dele do Cubo aqui guardado faz uns anos kk sempre me dá um cagaço quando me falam pra jogar, mas sempre tive vontade, essa análise me deu mais vontade ainda, mais definitiva, bem, amanhã mesmo já encomendo um novo controle pro cubo pra jogar de vez, e pelo jeito, não me arrependerei =D

    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      24/10/2015 às 11:36:15   localizacao Apucarana - PR
      @ Fgap10

      Fala, fi! Beleza?

      Cara, você tem o original ai? (Quer vender? rsrs)

      Este jogo me assusta bastante também e isso é o que faz dele tão bom!! rsrs

      Quando você zerá-lo, comente aqui o que achou, ok?
      Obrigado!

      T+
    • avatar de Fgap10
      Fgap10
      25/10/2015 às 09:04:44   localizacao São Paulo
      tenho sim o original, foi o jogo que veio quando comprei o cubo, mas não vendo não kk pode deixar que eu venho aqui dizer o que eu achei, já até encomendei o controle pra poder jogar =D
    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      25/10/2015 às 15:09:08   localizacao Apucarana - PR
      @ Fgap10

      Opa! Ai, sim!!

    Responda!
  • avatar de helisonbsb
    helisonbsb
    26/10/2015 às 22:49:55
    bons tempos!


    Responda!
  • Esse daí pega bem a essência dos jogos de terror noventista, parece bom. O Game Cube ainda prestava em títulos apresentando maior personalidade em sua biblioteca, fuçando bem ela, tu acha uns bagulhos interessantes.

    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      04/11/2015 às 20:42:54   localizacao Apucarana - PR
      @ Doc Cocamonga

      Cara, é bem isso mesmo. Todo mundo reclama dos Residents recentes e tal e esse jogo vem daquela época. É um jogaço!!!

      E olha que eu concordo com você. Tem sim muita coisa boa no cubo, hein?

      Obrigado pelo comentário.

      T+

    Responda!
  • avatar de Cyber Woo
    Cyber Woo
    31/10/2015 às 09:07:36   localizacao Itu
    Sensacional! Apesar de não ser muito corajoso quando o assunto é jogos de horror, Eternal Darkness esta em minha lista. Tenho ele no HD e até joguei um pouco, mas ficava tão tenso quando o personagem começava a ficar em pânico que eu desistia, hahaha!

    Seu texto me fez sentir vontade de jogar novamente, hahaha!

    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      04/11/2015 às 20:45:30   localizacao Apucarana - PR
      @ Cyber Woo

      kkkkkkkkk E se eu disser que aconteceu a mesma coisa comigo. Eu ia entrar em alguma sala já ficava nervoso, pois em algumas parte você entra e os inimigos já estão em cima e nem é efeito do jogo, é a ação mesmo!

      Este vale a pena. Mas tem que jogar de madrugada, com as luzes apagadas e tudo quieto!!!

      Valeu!

      T+

    Responda!
  • avatar de Kratos Vudu
    Kratos Vudu
    04/11/2015 às 18:10:43   localizacao Fortaleza - CE
    Cara, João, esse jogo deve ser realmente "perturbador" com esses lances de vc tá jogando e de repente tudo "endoida"! Muito bacana!

    Uma ótima dica pra jogar no Halloween heim!

    Abraço!

    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      04/11/2015 às 20:48:12   localizacao Apucarana - PR
      @ Kratos Vudu

      Cara, é perturbador mesmo. Eu sentia medo dos primeiros Residents do Play 1 quando eu pirava em jogar madrugada a dentro, mas digo a você que nunca senti medo de um jogo quanto senti deste. É estranho e mexe com a gente, pois nunca sabemos se o que está acontecendo faz parte da ação ou é alguma alucinação!!


      Valeu!

      T+

    Responda!
  • avatar de Gamer Caduco
    Gamer Caduco
    12/11/2015 às 19:33:47   localizacao SP
    Cara... que louco todo esse negócio de quebrar a quarta barreira durante a jogatina! Algo inspirado em Metal Gear, aparentemente. Eu gosto muito dessas coisas! Poucos jogos ousaram fazer isso, e faz uma falta gritante. Esses que vc citaram foram muito bem bolados, tem mais? Se tiver eu até me arrisco a jogar um dia! kkk
    E vc sabe que seu personagem se matou pq vc não pegou uma cerveja pra ele, né?
    O dia que eu tiver um Wii de novo eu vou buscar e vou jogar este jogo, se a coragem me permitir. Tem que estar claro! huauhahuahuahua
    Ótimo escrito, João!

    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      14/11/2015 às 09:58:06   localizacao Apucarana - PR
      @ Gamer Caduco

      Fala, Cadu!! Beleza?

      Esse negócio de mexer diretamente com a pessoa no controle é muito bacana. Só faltou o controle se mover com o poder da mente!

      O vídeo que eu postei não é recomendado a quem quer jogar o game algum dia, pois perde todo o impacto, mas ele tem várias coisinhas que fazem valer a pena, já que não é um medo do tipo "Jason". Está mais para "O Iluminado". Se você for meio direto na história acaba perdendo outros efeitos, mas se gosta de fuçar em todos os lugares, ele ainda guarda surpresas... (sim, tem mais \o/))

      Pode ser... ele queria afogar as mágoas e eu não ajudei...


      Queisso, Cadu!! Tem que jogar de madrugada. E com o volume no talo!!! Você nunca mais vai querer ouvir uma criança chorando outra vez...


      Valeu!!!

      T+

    Responda!
  • avatar de Rafael "Tchulanguero" Paes
    Rafael "Tchulanguero" Paes
    19/11/2015 às 15:00:48   localizacao Vespasiano - MG
    Hum, então é assim Eternal Darkness... é, talvez eu dê uma chance para ele no futuro, rzs. Seria uma IP interessante de ver a Nintendo trazendo de volta por agora.

    • avatar de João Roberto
      João Roberto
      22/11/2015 às 00:47:35   localizacao Apucarana - PR
      Pois é, é assim mesmo.

      Vale a pena dar uma olhada e uma jogadinha, mas é melhor mesmo torcer para a Nintendo trazê-lo de alguma maneira, pois comprá-lo é uma tarefa ingrata devido aos preços nos MLs da vida...

      Se eu não me engano, um tempo atrás li uma matéria sobre um "sucessor espiritual" dele que seria lançado pro Wii U, mas nunca mais li nada a respeito...

    Responda!
Acompanhe as tagarelices deste escrito por e-mail
e-mail  

       

fechar

Parceiros & Links

58|Videogames com Cerveja|http://www.vgscomcerveja.com.br|Videogames com Cerveja é um blog sobre games, cujo o principal objetivo é compartilhar experiências "videogamísticas" (tanto na jogatina quanto no colecionismo)! Então não espere encontrar muitas notícias ou reviews detalhados sobre games por aqui!§43|My Detonation|http://mydetonation.blogspot.com.br|O blog do grande Trevoso, sobre o que ele joga, jogou e quer jogar, com indicações de downloads e vídeos.§52|Marvox Brasil|http://marvoxbrasil.wordpress.com|As formas mais variadas do universo dos games e vídeogames em um só lugar. Matérias, detonados, curiosidades, podcasts e vídeo-análises. Leia o Blog MarvoxBrasil e desperte o gamer em você!§61|Nação Cucamonga|http://nacaocucamonga.blogspot.com.br|A cultura do terceiro mundo esmagando a do primeiro.§42|Gamer Caduco|http://gamercaduco.wordpress.com|Histórias de um gamer que está cada vez mais próximo de caducar de vez.§47|Arquivos do Woo|http://arquivosdowoo.blogspot.com.br|De tudo um pouco na medida certa.
logo
Vão Jogar! - Um site que aborda a cultura dos videogames com seriedade e bom humor.
Vão Jogar! & TMS criados por Rafael "Tchulanguero" Paes - 2008 ~ 2017
topo rodapé