logo Vão Jogar!
logo Vão Jogar! DegustaçãoMetroid Prime: Federation Force

O Metroid Que Não É Metroid (Mas É Muito Bom)

Análise de Metroid Prime: Federation Force - Amado por poucos, odiado por quase todos, Metroid Prime: Federation Force tem a ira dos fãs por não ser o que eles esperavam. Mas isso não quer dizer que ele seja um jogo ruim. Confira uma rápida análise sobre esse jogo que teve até petição de cancelamento, mas que está longe de ser péssimo. 

autor Hugo "Somari" Couto   datahora 02/09/2016 às 12:45:10   tagarelices 3

Amado por poucos, odiado por quase todos, Metroid Prime: Federation Force tem a ira dos fãs por não ser o que eles esperavam. Mas isso não quer dizer que ele seja um jogo ruim. Confira uma rápida análise sobre esse jogo que teve até petição de cancelamento, mas que está longe de ser péssimo. 


Metroid é sempre sinônimo de excelentes jogos, qualidade impecável e, acima de tudo, alvoroço incontrolável dos fãs ferrenhos. A franquia é amada por muitos, odiada por poucos e é considerada a mãe do “gênero metroidvania”, aquele que você tem apenas um único mapa geral, digamos assim, e tem que ficar indo e vindo por ele fazendo várias quests. E fazia tempo que não víamos a linda Samus Aran chutando bundas espaço à fora. As pessoas estavam certas de que uma hora ela voltaria para mais uma aventura com qualidade “Prime”, e que pudesse apagar o Other M da memória de muitos, sendo tratado como o título mais odiado da série. E então durante a E3 do ano passado a Nintendo resolveu apresentar um novo jogo, mas que não era beeeeeem sobre o que a galera estava falando.


Pra começo de conversa, Federaiton Force não se trata de um jogo da série principal. Aliás, já pelo trailer se notava isso. Com uma pegada mais voltada pra ação e personagens totalmente distintos da caçadora que estamos acostumados a ver, o jogo tem foco total no multiplayer e está mais parecido com uma mistura de Overwatch com Monster Hunter  do que qualquer outra coisa e isso foi mais que suficiente para exaltar a ira dos fãs que estavam sedentos por explorações e puzzles nos mesmos moldes de Prime,

Mesmo assim, a Nintendo fez de tudo pra tentar provar que o jogo seria bom e que os fãs deveriam dar uma chance para a nova proposta, que aliás nem saiu das mãos da Retro Studios. E, bem, eles estavam certos. O jogo é bom, mas de fato não é Metroid.

Vamos deixar claro que Metroid Prime: Federation Force é um spinoff, ou seja, não tem aquela obrigatoriedade de seguir à risca o que os jogos da série principal são. E essa distinção é de extrema importância aqui, já que o jogo não tem absolutamente nada a ver com os títulos anteriores. Enquanto antes você encarnava Samus e saía por aí explorando e resolvendo quebra cabeças atrás de seu objetivo, agora você é um soldado da Galatic Federation Marine Force e tem de realizar algumas missões em alguns mapas específicos. As missões, bem como todo o resto de configurações e tudo mais, ficam em um hub.

Esse hub, que é a nave-mãe dos Marines, é o lugar principal do jogo. Dele você personaliza seu robô, faz treinamento, checa pontuação, itens e tudo mais e seleciona os estágios que você vai jogar, além de ter acesso ao Blast Ball, minigame de “futebol” que estava disponível grátis na eshop.

A personalização talvez seja uma das partes mais interessantes aqui. Primeiro que você não joga com o Marine em si, mas com ele controlando um robô. Esse robô é customizável, podendo trocar suas cores e skins incluindo suporte aos Amiibos, parecido como o que acontece em Yoshi’s Wooly World de Wii U.

Suporte aos Amiibos em Metroid Prime Federation Force
Alguns dos Amiibos suportados em Federation Force

Mas a personalização mais importante do robô são os de status. Cada robô possui três slots para inserir os MODs, mas você só terá um disponível no começo do jogo e terá de ir jogando para habilitar os outros dois. Já os MODs em si são uma espécie de cartucho  que aumentam o que quer que seja de seu robô de acordo com o que você equipa. A maioria dos cartuchos não são permanentes, possuindo um nível de durabilidade e podem se quebrar em determinadas condições, como após você falhar em uma missão ou mesmo desistir de uma partida.

Sobre a jogabilidade em si, pense em Federation Force como um FPS. Você pode controlar o jogo do modo clássico, usando o botão L para travar a mira no seu inimigo ou pode usar o giroscópio/circle pad pro/c-stick para controlá-lo. Os botões de ação executam funções como pular/esquivar, atirar, trocar e usar item secundário. A novidade, no entanto, fica com o d-pad, que agora envia mensagens pré determinadas nas configurações do jogo. Há uma série de mensagens como “Follow me”, “ Help”, “Geat Job” e tantas outras que podem ser úteis (ou não) na jogatina coop. As partidas fluem muito bem e, de fato, lembram as mecânicas de Metroid Prime.

A campanha single player é ótima. O jogo tem MUITA missão e cada estágio tem, além da missão principal, mais duas sub missões, onde uma é terminar cada estágio abaixo de um tempo estipulado (que só é mostrado no final) e uma outra missão específica, como destruir todos os monstros daquele estágio, encontrar passagens secretas e afins. Isso faz com que o fator replay aumente um pouco pois você ocasionalmente vai se ver obrigado a passar o mesmo mapa para concluir missões que você deixou passar. Porém ao jogar fica óbvio que o título foi feito para ser jogado em multiplayer, e é aqui que a magia acontece.

Multiplayer para 4 jogadores
As missões em coop suportam até 4 jogadores

Os puzzles, embora mais simples e em menor quantidade, são quase sempre feitos para serem resolvidos em quatro ou em dois pares (que podem ser resolvidos em single, apenas aumentando o tempo e/ou dificuldade). O coop é ótimo e eu consegui me divertir muito jogando, apesar de sempre ficar com a sensação de que estava jogando um FPS qualquer e não um jogo da série Metroid.

Jogabilidade de Metroid Prime Federation Force
Igual, mas diferente

As músicas do jogo não merecem destaque, o que é uma pena. Elas são quase todas bem paradas, com clima de suspense, mas diferente do que era habitual dos outros jogos. As músicas dos chefes ou dos momentos mais tensos até podem ser medianas, mas ficou muito abaixo do que eu esperava.

E se engana você que acha que Federation Force não não tem nada a ver com Metroid e não passa de um spinoff tosco. Ele tem seu papel na franquia sim, se encaixando logo após Metroid Prime 3: Corruption, seguindo os acontecimentos de Phazon, planeta onde se passa o jogo lançado para Wii. E sim, eles são os mesmos Marines que apareceram no Metroid Prime 2: Echoes de GameCube. O que acontece então é que nós não somos caçadores, mas uma elite militar galática, o que explica o porquê de o jogo ser por fases e não exploração.

Marines em Metroid Prime 2: Echoes
Olha aí os Marines em Metroid Prime 2: Echoes. Essa galera já é antiga na série, viu? Não adianta dizer que Federation Force não tem nada a ver com a franquia

O jogo foi lançado em meio a muitos protestos, incluindo petição para cancelamento do jogo. Isso, claro, ofuscou por um certo momento o brilho que o título poderia ter tido, criando um hype inverso. Mas todo esse discurso de ódio e reviews negativos por parte da imprensa veio baseado no que eles queriam que o jogo fosse, não no que ele é de verdade. E a verdade é que Metroid Prime: Federation Force é um excelente jogo. Pode não ser o melhor Metroid, pode ser um FPS futurista como tantos outros, mas é um FPS futurista com bom gosto e bastante divertido de se jogar com a galera no final de semana tomando aquela cerveja geladinha. Então, turma, peguem seus 3DS, juntem a turma e Vão Jogar! Pois sim, ele merece sua atenção. ;-)

 

Metroid Prime: Federation Force
Metroid Prime: Federation Force

Séries: Metroid e Metroid Prime
Estúdio: 
Plataforma: 3DS

Compartilhe

Pin it


Leia também...



3 tagarelices já foram feitas!


e-mail  
nome  
localização  
site  
tagarelice   ativar o editor de texto desativar o editor de texto


E-mail Receba notificações para novas:     ok respostas      ok tagarelices      ok publicações

 

  • avatar de leandro (leon belmont odst) the devil summoner
    leandro (leon belmont odst) the devil summoner
    03/09/2016 às 09:22:10   localizacao Recife-PE
    esse jogo pode até vender bem e o fã até gostar, mas ainda vai ter aquela sensação de "não era isso que eu esperava" da maioria que se arriscara a comprar. bom texto, Sukita

    Responda!
  • avatar de Luiz
    Luiz
    04/09/2016 às 09:41:43
    Parece muito bom como de costume.

    Responda!
  • avatar de Gamer Caduco
    Gamer Caduco
    13/09/2016 às 20:28:53   localizacao SP
    Sempre achei exagerada a reação dos fãs para com este jogo, acredito que seja algo divertido mesmo (embora Overwatch e Monster Hunter não sejam pra mim).
    A geração mimimi tá osso ultimamente... ainda bem que ainda tem gente experimentando antes de resmungar! Boa, Suma!

    Responda!
Acompanhe as tagarelices deste escrito por e-mail
e-mail  

       

fechar

Parceiros & Links

61|Nação Cucamonga|http://nacaocucamonga.blogspot.com.br|A cultura do terceiro mundo esmagando a do primeiro.§52|Marvox Brasil|http://marvoxbrasil.wordpress.com|As formas mais variadas do universo dos games e vídeogames em um só lugar. Matérias, detonados, curiosidades, podcasts e vídeo-análises. Leia o Blog MarvoxBrasil e desperte o gamer em você!§58|Videogames com Cerveja|http://www.vgscomcerveja.com.br|Videogames com Cerveja é um blog sobre games, cujo o principal objetivo é compartilhar experiências "videogamísticas" (tanto na jogatina quanto no colecionismo)! Então não espere encontrar muitas notícias ou reviews detalhados sobre games por aqui!§42|Gamer Caduco|http://gamercaduco.wordpress.com|Histórias de um gamer que está cada vez mais próximo de caducar de vez.§47|Arquivos do Woo|http://arquivosdowoo.blogspot.com.br|De tudo um pouco na medida certa.§43|My Detonation|http://mydetonation.blogspot.com.br|O blog do grande Trevoso, sobre o que ele joga, jogou e quer jogar, com indicações de downloads e vídeos.
logo
Vão Jogar! - Um site que aborda a cultura dos videogames com seriedade e bom humor.
Vão Jogar! & TMS criados por Rafael "Tchulanguero" Paes - 2008 ~ 2017
topo rodapé