logo Vão Jogar!
logo Vão Jogar! EspecialO que nós jogamos em 2017

O que eu joguei em 2017 - Rodrigo Borges

Um Switch para a todos governar.

autor Rodrigo Borges   datahora 09/01/2018 às 07:24:21   tagarelices 6

Um Switch para a todos governar.


Este foi um ano especial para mim em termos de jogos. Pela primeira vez em quase uma década, me deliciei abrindo a caixa de um novo console da Nintendo, desta vez com a liberdade de não precisar esperar aniversário ou natal para conseguir um novo jogo. Participei ativamente da comunidade de jogos, apoiando e dando feedback para títulos em Early Access, escrevendo um ou outro artigo sobre game design, e começando um quase instantaneamente fracassado podcast sobre jogos. Além disso, as companhias durante o ano fizeram a diferença. Eu e minha namorada acumulamos algumas centenas de horas jogando juntos, e foi o primeiro de muitos anos em que meu sobrinho me acompanhou na jogatina.

Meu relato não respeita nenhuma ordem cronológica ou de importância, apenas tentei separá-lo (grosseiramente) em categorias. E já comecei 2018 tomando as devidas notas sobre o que estou jogando para que a próxima edição fique mais organizada.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Nintendo Switch)

Legend of Zelda: Breath of the Wild

Indo contra o ensinamento bíblico, decidi começar pelo vinho bom. Não necessariamente o melhor jogo, mas sem dúvida o mais marcante do meu ano. Hyrule foi um nobre e extenso mundo que tive o prazer de explorar por horas e mais horas (e que inclusive ainda não terminei). A emoção da aventura, a liberdade de enfrentar os desafios no meu ritmo e a honra de interferir na vida local compuseram, para mim, um sentimento de respeito.

Encontrar estátuas me instiga a enchê-las de oferendas. Sair de um perrengue com meu cavalo me instiga a alimentá-lo e dar-lhe carinho. Descobrir uma nova montanha me instiga a observá-la com atenção. Convenientemente, todas estas ações fazem sentido e são recompensadas dentro do jogo de forma orgânica (ou nem tanto, no caso das Korok seeds). Diria que trilhei metade de minha aventura neste ano que passou, e pretendo terminá-la em 2018.

Leia a nossa análise de The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Golf Story (Nintendo Switch)

Golf Story

Com mecânica e progressão nostálgicas do Mario Golf para o GBA, aliadas a um humor pastelão que lhe coube muito bem, Golf Story me distraiu muitas noites, especialmente logo antes de dormir. Vou roubar do site oficial do jogo a frase que melhor o descreve: "Você ficará surpreso com quantos problemas podem ser resolvidos acertando-se uma bola de golfe neles". Uma pena ser tão fácil, com uma UI que entrega quase todos os efeitos que incidem sobre a bola de bandeja.

SteamWorld Dig 2 (Nintendo Switch)

SteamWorld Dig 2

Mais um jogo que transformou meu tempo livre em prazer. Quando terminei Golf Story, encarei este metroidvania igualmente besta, mas que sabe colocar o devido desafio nos lugares certos. Ao limitar as mecânicas disponíveis através de upgrades para suas ferramentas, SteamWorld Dig 2 me motivou a ir atrás de melhorias para facilitar a exploração e o combate, ao mesmo tempo que conseguiu me entreter ao me forçar a trabalhar com pouco. Navegar o mapa verticalmente, por exemplo, exige paciência e cuidado até o terceiro ato do jogo.

The Binding of Isaac (Nintendo Switch)

The Binding of Isaac

A melhor parte da minha experiência com Binding of Isaac foi a hipocrisia. Pensando em meu fraco por roguelikes (e lites, e qualquer outra variação), enrolei por anos para comprá-lo, com medo de me perder para sempre nos porões, catacumbas e literalmente centenas de itens. Minha justificativa era "tudo que preciso para usar meu notebook é uma superfície de alguns centímetros quadrados e alguns minutos para ele ligar e entrar na Steam, então facilmente eu cairia na tentação de jogar Binding of Isaac". Comprei-o, então, em um console que consigo usar em qualquer lugar e preciso de poucos segundos para ir de uma tela preta para o menu inicial do jogo. 1001% de completude nunca pareceu tão alcançável.

Shovel Knight (Nintendo Switch)

Shovel Knight

Nunca fui um jogador muito habilidoso, principalmente em jogos de plataforma. Por causa disso (e minha lista ajuda confirmar), sou mais voltado a jogos de estratégia ou turnos, ou jogos onde a morte é mais uma mecânica. Mas, atraído pelo meu novo console e doido para encontrar bons jogos, não pude deixar Shovel Knight passar direto. Com o devido esforço, consegui terminar o jogo base e ainda coletar boa parte dos colecionáveis, e me orgulho muito disso.

À medida que fui explorando diferentes jogos com meu sobrinho, que tem três anos, Shovel Knight foi o que mais o encantou. Então foi o que mais jogamos no decorrer do ano, enfrentando as mesmas fases de novo e de novo, avançando à medida que ele se entediava de chefões anteriores. Graças a isso, perdi muito do meu medo de fracassar em jogos de habilidade. Mal posso esperar para ele ter idade suficiente para jogarmos Dark Souls.

Overcooked (Nintendo Switch)

Overcooked

Para finalizar a batelada Nintendo Switch do meu ano, o jogo que conquistou todos os encontros onde levei meu console. Sanduíches foram servidos, louça foi lavada e amizades foram forjadas e destruídas no processo. Joguei com minha namorada, indo atrás de três estrelas em todas as fases. Depois com minha irmã, com quem não jogava videogame desde o Nintendo 64, tentando bater todas as pontuações que fiz com minha namorada. Depois, com minha namorada de novo, rebatendo os recordes. Tenho minhas dúvidas se Overcooked consegue perder o charme.

The Walking Dead (Xbox 360)

The Walking Dead

Aproveitando a deixa para entrar nos jogos que eu e minha namorada destruímos em 2017, The Walking Dead foi o único motivo para ligar meu Xbox esse ano. Peguei-o de graça nos resquícios da minha assinatura Gold e eu e Vívian fomos "episodicamente" sobrevivendo ao apocalipse zumbi com as devidas escolhas levianas que fazem este jogo. Nem bom nem ruim, foi um passatempo de algumas horas para nós dois, mas destaca-se por ter aberto as portas para a pérola dos tempos modernos que jogamos em seguida.

Life is Strange (PC)

Life is Strange

Apesar de gostarmos de jogar juntos, minha namorada e eu nunca experimentamos algo multijogador. Vamos sempre atrás de jogos que podemos sentar e tomar decisões juntos enquanto aproveitamos a experiência. Se é um jogo de ação, costuma ser eu no controle; caso contrário, vamos revesando. Sendo assim, jogos da Telltale são ótimos candidatos, o que torna a situação ainda mais interessante, pois dificilmente qualquer um de nós dois se aventuraria em jogá-los sozinho.

Depois de terminar The Walking Dead, seguimos a sugestão de um amigo e começamos Life is Strange. Compramos o primeiro capítulo, um pouco céticos, e em poucos minutos pareceu dinheiro jogado fora. Horas depois, estávamos comprando o segundo, terceiro, quarto e quinto, ansiosamente esperando pelo prazer masoquista de jogar a estória mais adolescente do nosso século. As situações, o drama, os personagens pastéis giravam em um delicioso vórtice de vergonha alheia. No ápice da insanidade, em uma das músicas hipsters que pontua fim de cada capítulo, começamos a inventar versos que narravam o que acontecia. Com uma certa quantidade de anos nas costas e tendo consumido as obras certas no decorrer da vida, musicamos uma previsão certeira para o que foi a revelação mais dramática do jogo. E nunca foi tão divertido viver.

Para mim, ir ao cinema consegue transformar filmes medíocres em experiências muito gostosas. De forma similar, descobri com Life is Strange que jogar junto de alguém com quem você tem uma conexão pode transformar jogos medonhos em momentos inesquecíveis. E, ironicamente, o jogo que considero um dos piores de todos que já joguei foi o que eu mais estava ansioso para escrever a respeito neste meme.

Leia a nossa análise de Life is Strange

Mini Metro (PC)

Mini Metro

Um delicioso jogo minimalista de construção e gerenciamento de um sistema metroviário. Falar que na verdade são redes transmitindo dados entre diferentes computadores, ou simplesmente figuras geométricas ligadas por linhas coloridas também seria válido. A questão é: trata-se de um jogo muito fluido de quebra-cabeça com estratégia.

Comecei jogando sozinho, me desempenhando bem mal, recebendo depois o suporte de minha namorada, e juntos fomos longe. Eram discussões acaloradas se na semana que havia terminado no jogo nós pegaríamos uma nova locomotiva ou um túnel para ter mais uma linha chegando à ilha. E foram algumas dezenas de partidas até descobrirmos que era possível pausar para avaliar a situação com calma! Já faz algum tempo que não jogamos Mini Metro, mas volta e meia arrisco um desafio diário, nem que seja pelo gratificante GIF ao final da partida que mostra o desenvolvimento da sua rede.

XCOM: Enemy Unknown e Enemy Within (PC)

XCOM: Enemy Unknown e Enemy Within

O suprassumo da nossa carreira conjunta em jogos, XCOM nos proporcionou esse ano mais da metade do total de horas que jogamos algo. Já jogamos no notebook e na televisão, no teclado e no controle, o jogo base e o pacote de expansão, dando load quando perdemos e aceitando a derrota. Amigos, familiares e conhecidos já emprestaram seus nomes para soldados que não necessariamente veriam o triunfo da raça humana sobre a invasão alienígena. XCOM é provavelmente uma das famílias de jogos imortais da minha biblioteca, à qual retornarei em diferentes versões, os originais dos anos 90, o "sucessor espiritual" Xenonauts e a continuação XCOM 2 quando tivermos um computador que aguente o tranco, em diferentes tempos. Vale dizer que Vívian comanda um esquadrão para derrubar a sangue frio qualquer Mechtoid, Berserker ou Ethereal, mas o reptiliano Thin Man sempre traz um frio à espinha dela.

Caveblazers (PC)

Caveblazers

No início de 2017 comecei a pensar em estudar e escrever sobre jogos. Queria explorar um gênero que descobri quando tive um notebook com sistema Linux, limitado no tamanho da biblioteca de jogos, mas dotado dos surpreendentes roguelikes de terminal. Desde então, ir descendo por diversos andares de uma caverna, juntando equipamentos e armas, receando o efeito aleatório de poções e agarrando-me à vida, que é uma só, tornou-se uma de minhas experiências preferidas em jogos.

Caveblazers inicia a enorme sequência de roguelites indie que joguei este ano. Repare que é lite, já que a comunidade é bem restrita na nomenclatura. É um jogo arcade de plataforma que muito se assemelha a Catacomb Kids, mas com um polimento caprichado que mais me lembra Spelunky. Inimigos inteligentes e mundos gradativamente mais difíceis que permitem que sua morte, apesar de permanente, não seja em vão. As lições aprendidas sempre acrescentam à próxima tentativa. Não o joguei depois de ser lançado oficialmente, mas pretendo fazê-lo em 2018.

Dead Cells (PC)

Dead Cells

Outro roguelite de plataforma, desta vez menos arcade e com uma rampa de dificuldade mais tradicional. Além disso, o jogo tem um mundo interconectado, semelhante ao estilo metroidvania. Para atingir estas duas características, creio que o jogo tornou-se mais engessado. Começar do zero quando morro e passar por masmorras e inimigos extremamente parecidos com os que enfrentei anteriormente me deixaram com o desejo de que o jogo fosse apenas uma aventura linear.

Cargo Commander (PC)

Cargo Commander

Com seu design simples, Cargo Commander cumpre o quesito ambientação ao colocar-nos no papel de um sucateiro espacial isolado no espaço com um rádio que só toca uma (agradável, ainda que repetitiva) faixa. Apesar de ter infinitos setores espaciais que são gerados aleatoriamente, essa aleatoriedade vem de uma seed, de forma que o setor pode ser compartilhado e jogado por outra pessoa, ou por você mesmo. Sendo assim, fica a critério do jogador a busca por pontuações recordistas em um setor, aperfeiçoando sua técnica a cada tentativa, ou a exploração de setores desconhecidos, cada um trazendo uma experiência e dificuldade diferentes, apesar de não muito variada.

TumbleSeed (PC)

TumbleSeed

TumbleSeed veio para mostrar que uma arte fofa e mecânica inovadora podem vir acompanhados de muita dificuldade, chegando talvez até a ser desbalanceada. No post-mortem do jogo, o desenvolvedor chega a mencionar como esse degrau entre a apresentação e a dificuldade afetaram as vendas e críticas. Subir a montanha equilibrando a sementinha em uma vareta me permitiu desenvolver uma destreza muito interessante com os analógicos do controle, que provavelmente de nada me servirá na vida.

Duskers (PC)

Duskers

Em outra mostra de inovação na mecânica, Duskers é um jogo de terror surpreendentemente imersivo. O jogador controla drones através de naves abandonadas à procura de tralha e recursos para continuar vivendo à deriva de uma galáxia morta. O controle, no entanto, é feito alternando entre um terminal para inserção de comandos e a câmera de cada drone. A visão é claustrofóbica e limitada, e rapidamente os robôs frios tornam-se dignos de afeto, já que eles são tudo que previnem o operador de ter que explorar estas naves medonhas sozinho.

Loot Rascals (PC)

Loot Rascals

Loot Rascals carrega o estandarte final da passeata dos jogos indie cuja mecânica principal é a morte permanente. Além disso, ele iniciou para mim um gênero que devo explorar mais em 2018: jogos não tradicionais (uma mesa, dois jogadores, vez de um, vez de outro, carta pra lá, carta pra cá) baseados em cartas. Neste caso, trata-se de um jogo de estratégia em turnos onde suas habilidades e atributos são definidos por cartas. Há sinergias, combinações e efeitos, mas tudo isso afetando um sistema de combate bem simples. Já percorri os cinco mundos e cheguei no chefe final algumas vezes, mas conseguir derrotá-lo ainda está na lista de afazeres.

Europa Universalis IV (PC)

Europa Universalis IV

Há alguns anos, ouvi falar de Europa Universalis IV, que seria um ótimo jogo de estratégia com relações diplomáticas profundamente simuladas, percorrendo do fim do medievo ao começo da era moderna. Inicialmente focado na Eurásia, o jogo acabou sendo literalmente expandido para as Américas, sendo possível controlar povos nativos americanos, mas o mais usual seria controlar povos europeus e conquistá-los. Apesar da história real tender a ocorrer no jogo, há margem para um desenrolar alternativo. Não necessariamente a Inglaterra irá unificar a Grã Bretanha, e não necessariamente os Guarani serão colonizados pelos portugueses.

Pode parecer um desperdício de tempo, e talvez de fato o seja, mas todo o meu tempo neste jogo até o momento foi tentando fazer alguma tribo indígena isolar-se e fortalecer-se o bastante para resistir à colonização do Novo Mundo. Nunca controlei reinos ou obtive status com o estado papal, e provavelmente explorei 2% das mecânicas deste jogo tão extenso devido às limitações das tribos. Ainda assim, a cada início de jogo eu sinto a chama da esperança acender-se: "será essa a redenção virtual de nossos antepassados?". Até o momento, não.

---

Como comecei no Vão Jogar! no segundo semestre, não fui registrando meu ano de jogos à medida que ele ocorreu. Acho que fazer isso nos dá a oportunidade de encontrar mais relações entre as diferentes obras que consumimos, e talvez de vermos quando estamos sendo redundantes. Por exemplo, será que se eu tivesse jogado metade dos roguelites que joguei, não poderia ter descoberto novos gêneros mais cedo?

Que 2018 venha recheado de jogatina para todos! De preferência acompanhado de uma renda proporcional ao número de lançamentos (:

---

O que você jogou em 2017?

Esta publicação faz parte do meme gamer "O que você jogou em 2017?", que foi organizado mais uma vez pelo nosso grande parceiro, Marvox. Os demais participantes você confere logo abaixo:

Arquivos do Woo [CyberWoo] www.arquivosdowoo.com.br
Blog Desocupado [Paulo Victor] des-ocupado.blogspot.com.br
Blog MarvoxBrasil [Marvox] marvoxbrasil.wordpress.com
Gamer Caduco [Caduco] gamercaduco.com
Gamerníaco [Eduardo Farnezi] gamerniaco.wordpress.com
GebirgeBR [Gebirge] www.youtube.com/GebirgeBR
Jogatinas Saudáveis [Rodrigo Vigia] www.youtube.com/vigiabr
Jornada Gamer [UsoppBR] alvanista.com/nostallgiabr
Locadora Resident Ivo [Ivo Ornelas] www.locadoraresidentivo.com
Old Magus Pub [Lucas Vinicio] oldmaguspub.blogspot.com.br
QG Master [Marcos Vieira Machado] qgmaster.blogspot.com.br
RetroPlayers [Sabat] www.retroplayers.com.br
U-8Bits [Ulisses 8 Bits] ulisses8bits.blogspot.com.br
Videogames com Cerveja [Felipe B. Barbosa] www.vgscomcerveja.com.br

outras tags: Cargo Commander, Caveblazers, Dead Cells, Duskers, Europa Universalis IV, Golf Story, Life is Strange, Loot Rascals, Mini Metro, Overcooked, Shovel Knight: Shovel of Hope, SteamWorld Dig 2, The Binding of Isaac, The Legend of Zelda: Breath of the Wild, The Walking Dead: The Telltale Series - Season 1, TumbleSeed, XCOM: Enemy Unknown e XCOM: Enemy Within

Compartilhe

Pin it


Leia também...



6 tagarelices já foram feitas!


e-mail  
nome  
localização  
site  
tagarelice   ativar o editor de texto desativar o editor de texto


E-mail Receba notificações para novas:     ok respostas      ok tagarelices      ok publicações

 

  • avatar de Marvox
    Marvox
    11/01/2018 às 15:36:17   localizacao São Paulo/SP
    Cara, sensacional, mandando ver com uma lista recheada de títulos do Switch. Se um dia resolver comprar o console já sei qual catálogo seguir XD

    Life Is Strange - No começo dele achei muito paradão, aquele clima escola/Malhação, mas beleza ainda bem que existe uma certa ação da personagem, depois vamos entendendo que a coisa é bem tangível e precisa mesmo jogar todos os Episódios pra sentir o jogo. Só sei que esperarei um tempo antes de investir no Before the Storm.

    Mini Metro - Que show ver esse jogo na sua lista, quando joguei, gostei em todos os sentidos conseguindo relaxar de um jeito que fica dificil encontrar no jogo a opção Sair. Tem até o metrô de São Paulo, coisa louca!

    Dead Cells - vendo ele com mais calma no Steam o jeitão 2D e o cenário me lembrou muito Outland com uma pegada mais agressiva, posso estar precisando de um jogo assim, vou ficar atento nas promos.

    Muito bom!

    • avatar de Rodrigo Borges
      Rodrigo Borges
      21/01/2018 às 22:24:54   localizacao Belo Horizonte - MG
      Já entrei em 2018 com o aprendizado: esperar alguns meses depois de cada lançamento para garantir que não vai sair um port pro Switch antes de comprar haha
      Praticamente qualquer jogo que estão lançando na plataforma que eu já tenha na Steam está me fazendo me coçar pra não recomprar. Ainda não encontrei um gênero que não seja uma boa experiência no novo Nintendo.

      De fato, Life is Strange não deve me pegar de novo, e não sinto mais vontade de investir em Telltale. Mas lendo as entradas do meme me fizeram olhar com carinho para Oxenfree. Quem sabe ele não aparece na lista desse ano.

    Responda!
  • avatar de Cyber Woo
    Cyber Woo
    15/01/2018 às 23:05:43   localizacao Itu
    Cara, anotei aqui alguns dos jogos que não conhecia do PC,e quanto aos de Nintendo Switch. Puts, Zelda parece que é unanimidade entre os usuários.

    Eu adoro jogos de estratégia, cheguei a XCOM, achei ótimo. Infelizmente nunca terminei, mas quero retornar ainda esse ano.

    Agora quanto ao The Walking Dead e Life is Strangers, infelizmente eu não curto o gênero. Abomino os jogos da Telltale, hahaha!!

    Esse Mini Metro me pareceu bem interessante, vou dar uma olhada nele qualquer hora.

    Abraço

    • avatar de Rodrigo Borges
      Rodrigo Borges
      21/01/2018 às 22:19:02   localizacao Belo Horizonte - MG
      Zelda é realmente uma experiência diferenciada. Mas talvez tenha sido mais pesado para mim por não jogar muitos jogos AAA mundo aberto (meu último foi GTA V no lançamento, no meu pacato XBOX360). Nunca toquei em Just Cause, The Witcher, Shadow of Mordor, Horizon Zero Dawn e 90% dos Assassin’s Creed haha

      Cara, vale a pena o investimento a mais para terminar XCOM. A estória está longe de ser grandes coisas, mas acho que é um destes jogos que constrói a narrativa junto da jogabilidade. Depois de todo o perrengue que seu esquadrão passou, a sensação de vitória e superação é absurda no final, mesmo que fosse "parabéns, você resgatou o gato que estava preso na árvore".

      Compartilho da abominação, mas lendo a participação do pessoal no meme, já estou ficando inclinado a experimentar Oxenfree com minha namorada.

      Recomendo Mini Metro com todas as forças. Seja uma partida bem sucedida ou um desastre logístico completo, eu sempre saio com a sensação de que valeu a pena. Parece um jogo mobile de procrastinação, mas se aproxima mais para mim a uma página de revistinha de Sudoku.

    Responda!
  • avatar de Gamer Caduco
    Gamer Caduco
    21/01/2018 às 14:54:41   localizacao SP
    Fala Rodrigo! Vou conferir aqui sua lista agora. E vou manter também a tradição que faço todo ano aqui no VJ!, que é comentar a lista toda (vai se preparando pro comentário que vc já viu que tá gigante) e com nomes de jogos todos zoados (sim, eu tenho problema, mas não me julga muito assim que eu tenho sentimentos também)... kkkkkkkk
    Preparado? Vamos lá:
    [BafoDeCatuaba]: Eu também estou na lista dos felizardos que jogaram Zelda em 2017! Só não vale ficar triste quando terminar agora em 2018 o jogo, hein? Em mim deu aquela famosa sensação de vazio ao finalizar um baita jogo.
    [HistóriaDoGolfo]: Tô ultra curioso com este jogo, sua descrição me deixou ainda mais. Legal, vai me fazer gastar dinheiro. Valeu, hein? ahuhahuahuahua
    [CavandoOMundoDaValve]: Não sabia que era metroidvania este jogo. Talvez eu dê uma chance a ele no futuro, gosto bastante do gênero. Antes eu só olhava com aquele olhar desconfiado e preconceituoso de quem não conhece, sabe? rs. Humanos tendem a fazer esse tipo de coisa, erroneamente.
    [IsaacSóSeLasca]: Esse aqui me dá medo, eu joguei um pouco, fiz uns dois finais e parei. Mas joguei no Vita. Cuidado pra não viciar! 1001% é muita coisa! rs
    [JogoLegal"PÁ"Caramba]: Olha, eu sou completamente suspeito pra falar de Shovel Knight, mas que legal que ele te incentivou a encarar jogos de plataforma, ele é bem acessível pra isso mesmo, ainda assim tem um bom desafio e ainda por cima dá pra encarar ele de ponta a ponta sem usar itens e etc, pra quem gosta de aumentar o desafio. Fiquei contente que tenha curtido. Depois dê uma olhada nas DLCs, valem a pena também. São quase outros jogos.
    [QueimouOFeijão]: Me parece que a melhor plataforma pra jogar este jogo é no Switch mesmo. Ia pegar a versão de PS4, desanimei quando soube que não tinha online (embora eu entenda o pq de não ter). No Switch parece mais negócio, vou considerar pegar algum dia.
    [PapaiAndarilho]: Curti demais também, é surpreendente em vários aspectos. Quase me convenceu a jogar outros point-and-clicks e similares. Mas não aconteceu... rs.
    [VidaEstrangeira]: Não faço questão desse, na verdade. Até pq minha esposa odeia videogames como ninguém, então não vai rolar de jogar com ela... kkkkk. No seu caso fez mais sentido.
    [Metrozinho]: Parece interessante, mas vou ficar muito longe dele pra não aumentar meu backlog enquanto passo horas gerenciando linhas... kkk.
    [X-TUDOComInimigoDesconhecido]: Também curti demais, pelo menos o Unknown que foi o que joguei faz alguns anos. O Within acabei não, mas também tô na expectativa de pegar o 2. Vou encarar no PS4 mesmo, não tenho PC que rode nem o primeiro, imagina o segundo... haha!
    [EscavadoresDePaletós]: Vish, eu não curti o Espelunca, vou deixar esse passar também então... rs.
    [MataramOCell]: Já esse me deixou intrigado. Lembra de alguma maneira o Rogue Legacy?
    [ComandanteDoVasoSanitário]: Pareceu um jogo que dá uma sensação doida de solidão, mas parece interessante, principalmente pelo esquema de compartilhamento de seeds.
    [SementeDoTumblr]: Nossa, equilibrar com analógicos? Tô fora, isso vai me deixar irritado muito facilmente, vou ficar amargo uns 4 meses seguidos de ódio... kkkkkk
    [DuDuduskersEEdu]: Nah, tenho medinho.
    [LootDaPáscoa]: Parece interessante, mas viciante demais pra quem tem uma lista gigante de jogos já... rs.
    [EuropaUniversal]: Civilization? Melhor não, isso aí é outra coisa que vicia e é pra quem tem tempo infinito... rs
    Muito boa a lista, Rodrigo! Curti! Várias dicas ótimas, anotei algumas coisas na minha listinha aqui. Se vou comprar e jogar eu não sei, mas tão anotados! hahaha
    Valeu!

    • avatar de Rodrigo Borges
      Rodrigo Borges
      21/01/2018 às 22:37:10   localizacao Belo Horizonte - MG
      Valeu, Caduco! Achei que você não teria fôlego, mas estou vendo os nomes dos jogos zoados nas publicações todas do meme hahaha

      Viajei semana passada e já estou encaminhado na DLC do Spectre Knight, e comecei a do Plague Knight para dar uma olhada. Realmente impressionante como reinventaram as mecânicas para cada um mantendo o jogo quase idêntico. Mas estou achando a campanha do Spectre bem mais fácil.
      A tal sensação de cumprir desafios e ficar mais habilidoso que Shovel Knight me trouxe já estão me levando para Cuphead. Daqui a pouco estou fazendo speedrun de Bloodborn.

      MataramOCell lembra sim Rogue Legacy! Um mundo mais estático e uma progressão bem clara de uma morte para outra, com menos humor e variedade de inimigos. Mas ele tem o sistema de, a cada partida, encontrar apenas alguns dos muitos itens disponíveis, e cabe a você encontrar as sinergias entre o que você tem em mãos.

      Que bom que gostou! Depois me dê uma ideia se jogar algum para batermos um papo :D
      Abraço!

    Responda!
Acompanhe as tagarelices deste escrito por e-mail
e-mail  

       

fechar

Parceiros & Links

61|Nação Cucamonga|http://nacaocucamonga.blogspot.com.br|A cultura do terceiro mundo esmagando a do primeiro.§47|Arquivos do Woo|http://arquivosdowoo.blogspot.com.br|De tudo um pouco na medida certa.§58|Videogames com Cerveja|http://www.vgscomcerveja.com.br|Videogames com Cerveja é um blog sobre games, cujo o principal objetivo é compartilhar experiências "videogamísticas" (tanto na jogatina quanto no colecionismo)! Então não espere encontrar muitas notícias ou reviews detalhados sobre games por aqui!§42|Gamer Caduco|http://gamercaduco.wordpress.com|Histórias de um gamer que está cada vez mais próximo de caducar de vez.§43|My Detonation|http://mydetonation.blogspot.com.br|O blog do grande Trevoso, sobre o que ele joga, jogou e quer jogar, com indicações de downloads e vídeos.§52|Marvox Brasil|http://marvoxbrasil.wordpress.com|As formas mais variadas do universo dos games e vídeogames em um só lugar. Matérias, detonados, curiosidades, podcasts e vídeo-análises. Leia o Blog MarvoxBrasil e desperte o gamer em você!
logo
Vão Jogar! - Um site que aborda a cultura dos videogames com seriedade e bom humor.
Vão Jogar! & TMS criados por Rafael "Tchulanguero" Paes - 2008 ~ 2018
topo rodapé